Terminou esta noite a última etapa do circuito QS feminino, o Port Stephens Toyota Pro. Em ondas de meio metro com boa formação a final foi 100% aussie, com Nikki Van Dijk a levar a vitória. Durante grande parte da final Macy Callaghan liderou mas foi muito selectiva nos minutos finais e, mesmo com prioridade, deixou duas ondas passar que Nikki aproveitou para dar a volta ao resultado.

No início desta prova ainda se encontrava uma surfista portuguesa na disputa por uma vaga no Women’s Championship Tour de 2019, Teresa Bonvalot, mas um heat fraco de ondas no round 3 deixa-a fora do evento e do tour. Contas feitas o “cut” acabou por ficar nos 13.180 pontos de Silvana Lima, um somatório que tinha obrigado a surfista de Cascais a vencer a prova final para superar. Mesmo assim foi um excelente ano para Teresa, que conseguiu vários resultados sólidos e, com apenas 19 anos de idade, terá pela frente muito tempo para se juntar à elite do surf mundial.

Quem conseguiu a qualificação foi a finalista da prova, Macy Callaghan, que chegou a Port Stephens a precisar de um resultado muito forte para conseguir “furar” a bolha de qualificação. Esta surfista de 18 anos já conta com um título mundial júnior e uma final numa etapa do Championship Tour em França e promete dar muito trabalho às veteranas do circuito.

Outra “cara nova” no tour será Brisa Hennessy, uma surfista que chegou a esta prova no limite da qualificação e com um 3º lugar segurou bem a sua posição. Com 19 anos de idade, Brisa já mostra um surf muito maduro e também será um nome a ter em conta em 2019. A sua qualificação marca a primeira presença da Costa Rica no Championship Tour. Curiosamente esta surfista representa o país da “Pura Vida” há menos de um ano, uma tendência que surgiu quando foi anunciada a presença do surf nos jogos olímpicos. Isso fez com que não só Brisa como mais duas havaianas, Tatiana Weston-Webb e Mahina Maeda, passassem a representar nações com menos surfistas de alto nível, de modo a assegurar vagas na prova de Tóquio em 2020.

Entretanto quem está em vias ficar fora do tour é Keely Andrew, que começou o ano com uma final no Roxy Pro Gold Coast mas foi caindo no ranking ao longo da temporada. No circuito QS esta australiana ficou a apenas um lugar de conseguir a qualificação, ficando agora a precisar de um resultado excelente em Maui. Também Sage Erickson está nessa situação, além de Tyler Wright mas a bi-campeã mundial deverá receber um injury wildcard para o tour de 2019.

Por realizar fica a última etapa do Championship Tour de 2018, o Beachwaver Maui Pro, realizado em Honolua Bay, Maui, Havai, entre 25 de Novembro e 6 de Dezembro.

 

Comentários