O Puerto Escondido Challenge começou, como previsto, com ondas grandes e pesadas como se espera no Big Wave Tour da WSL. Em prova nestas condições quase no limite do que é possível surfar “a braços” estavam os dois portugueses, Alex Botelho e João Macedo, nos heats 2 e 4 do round 1.

Foi logo no início do primeiro heat do dia que a melhor onda de toda a prova foi surfada, por Billy Kemper. Este havaiano normalmente faz o seu melhor surf em Jaws mas em Puerto conseguiu repetir a “magia” com um grande tubo para a direita, fazendo a melhor nota de toda a prova.

Alex Botelho pontuou cedo no seu heat, graças a um drop pesado. Mesmo tendo caído nessa onda o Algarvio recebeu alguns pontos e já mais perto do fim navegou algum tempo dentro de um tubo gigante, conseguindo uma nota sólida e a qualificação para a fase seguinte em segundo lugar, atrás do local Jimel Corzo e Makuakai Rothman.

 

alex-botelho

Alex Botelho a encaixar numa caverna gigante – Photo by Morales / WSL

 

João Macedo apanhou 4 ondas no seu heat mas ficou a faltar uma nota forte para passar, sendo eliminado numa bateria vencida por Oscar Moncada.

Nas meias finais o “Mr. Jaws”, Billy Kemper, foi mais uma vez dominante, vencendo o seu heat com alguma vantagem e trazendo consigo para a final Trevor Carlson e Alex Botelho, enquanto que Rothman, Corzo e Nathan Florence eram eliminados. Da outra meia final foi vencida por Tom Lowe, seguido de Jamie Mitchell e Kai Lenny.

Kai Lenny tinha feito uma prova pouco impressionante até à final mas no derradeiro heat do campeonato fez um bom tubo e virou o resultado a seu favor. A nota de 8.6 foi suficiente para roubar a vitória a Jamie Mitchell a menos de 5 minutos do fim enquanto que Tom Lowe foi 3º, Billy Kemper 4º, Alex Botelho 5º e Trevor Carlson 6º. Botelho, apesar de só ter feito uma onda na final, foi um dos destaque da prova e está de parabéns por ter conquistado mais um grande resultado para o surf português.

 

Comentários

Deixe uma resposta