O primeiro dia do primeiro WCT do ano assemelha-se ao primeiro dia num ano novo na escola. De imediato se percebe quem manteve a popularidade/forma do ano anterior e quem precisa de ir trabalhando ao longo do ano.

E ficou patente que os dois grandes nomes da nova geração de tops do WCT, Medina e Florence, este ano (mais uma vez) não estão para brincadeiras. As ondas rondavam um metro, no máximo, com pouco vento mas pouca força. John John é conhecido por parecer que não se está a esforçar mas mesmo assim conseguiu atacar o lip e fazer algumas manobras progressivas para “estampar” a sua superioridade sobre Glenn Hall e Jadson André.

Já Gabriel teve mesmo de se esforçar pois o seu conterrâneo rookie, Wiggolly Dantas, estava possuído com um backside matador. “Gigui” surfou com mais força que Medina mas o campeão mundial em título respondeu com power e diversidade, conseguindo a melhor média do dia enquanto que os pontos de Dantas “apenas” serviam para vencer 9 das 12 baterias desta fase.

Outro “grom” também estava em grande forma era o rookie Matt Banting. O seu heat era um dos mais difíceis do dia, contra a 3x campeão mundial Mick Fanning e o perigoso vencedor dos trials Jack Freestone. Matt parecia um veterano, com uma escolha de ondas incrível e um “aproacch” impecável, atacando cada secção com muita técnica e vencendo o seu heat de estreia no WCT.

Mas ninguém surpreendeu tanto os seus adversários como Dusty Payne. O havaiano de Maui continuou o seu incrível ritmo da Triple Crown de 2014 e fez a mais longa e melhor onda do dia, recebendo 9.67 e a vitória sobre Adriano de Souza e Filipe Toledo.

As surpresas pela negativa foram as derrotas de Taj Burrow e Kelly Slater, além de Mick Fanning, que vão ter de lutar por uma vaga na terceira fase na repescagem, juntamente com Adriano de Souza e Michel Bourez.

Quando terminou a primeira fase chegou a altura da prova feminina entrar na água. A grande surpresa foram as derrotas prematuras de Stephanie Gilmore e Tyler Wright. Gilmore, a surfista feminina mais bem paga da Austrália, foi surpreendida novamente pela brasileira Silvana Lima, que este ano está de volta ao tour. Mesmo assim Stephanie e Wright terão nova oportunidade de se qualificar para o round 3, caso se qualifiquem no round de repescagem.

Acompanha o próximo dia de prova em directo AQUI!

Comentários

Os comentários estão fechados.